A boa notícia sobre o adiantamento da Campanha de Vacinação contra a Gripe em Formiga foi divulgada na manhã desta sexta-feira (8), durante coletiva de imprensa realizada na sede da Secretaria de Saúde de Formiga.

De acordo com o secretário da pasta Ronan Rodrigues, o adiantamento da vacinação na cidade ocorreu após serem feitos pedidos junto a Gerência Regional de Saúde de Divinópolis (GRS) diante da divulgação de um possível surto de gripe no Lar São Francisco de Assis.

Em números atualizados pelo secretário, 50 internos  do asilo apresentaram sintomas de síndrome gripal (gripe), sendo que dois casos evoluíram para síndrome respiratória aguda grave e um dos doentes acabou morrendo. “Pode ser que não se trate de H1N1, mas de outra influenza, o que não diminui a necessidade de adiantar a vacinação, já que a imunização feita na campanha combate três tipo diferentes de influenzas”, comentou o médico.

Participaram da coletiva ainda, a coordenadora do Setor de Epidemiologia Ana Carolina Oliveira e o coordenador de Endemias Ismael Geraldo da Silva (Lobão) esclareceram ainda sobre casos registrados de gripes graves na cidade e de doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti (dengue, zica e chikunguinya).

A campanha de vacinação

Na próxima segunda-feira (11), os internos do asilo já receberão as doses da vacina que já chegaram ao município, e a partir da terça-feira (12), as doses da vacina já estarão disponíveis em todas as Unidades Básicas de Saúdes (Postos de Saúde) da cidade.

De acordo com dados do setor de Epidemiologia, cerca de 16 mil pessoas compõem os grupos que devem se vacinar são eles: crianças com idade entre 6 meses e menos de 5 anos, gestantes, puérperas até 45 dias após o parto, idosos (a partir de 60 anos), trabalhadores da saúde, agentes penitenciários, detentos e pacientes que apresentem doenças crônicas, sendo que este último grupo precisa apresentar relatório médico confirmando a necessidade de vacinação para receber a dose. “Em todo o país, a vacinação será de 30 de abril a 20 de maio de 2016. O Ministério da Saúde preconiza que pelo menos 80% da população alvo seja vacinada, quando alcançarmos essa meta, pessoas que não fazem parte dos grupos de alcance poderão, caso restem doses, se vacinar nos postos”, informou Ana Carolina que completou: “Como as doses que recebemos ano passado só venceram em fevereiro, algumas pessoas se vacinaram em dezembro, janeiro e também fevereiro. Essas pessoas, se estão nos grupos preconizados, precisam se vacinar outra vez, pois a composição da vacina muda de um ano para outro”.

Casos suspeitos em Formiga

Além dos 50 casos registrados no asilo, foi registrado na cidade mais três casos de síndrome respiratória aguda grave. Sendo que dois dos doentes são crianças internadas na UTI Neonatal da Santa Casa de Caridade de Formiga. Ambas estão internadas desde o nascimento, conforme informou Carolina.

Material para análise do que de fato se tratam as síndromes severas, se H1N1 ou outro tipo de influenza, foram colhidos de dois dos internos do asilo e dos outros três pacientes que apresentaram sintomas na cidade.

Chikungunya, Zica e Dengue

Após explicar sobre o adiantamento da vacinação, a coletiva tratou dos casos de doenças transmitidas pelo esdes aegypti em Formiga.

Nenhum caso de Chikungunya foi registrado na cidade e apenas um caso de Zica, de uma mulher 35 anos, está sob investigação. O resultado do exame enviado à Fiemg deverá sair nos próximos 30 dias.

O portal teve informações de um caso de Zica confirmado, em um homem de 30 anos, mas todo o tratamento foi feito na rede particular de saúde. “Infelizmente, muitos profissionais da rede particular não notificam a Secretaria de Saúde, e este caso é um deles, pois temos apenas a confirmação de um caso suspeito”, comentou Ana Carolina.

Sobre a dengue, os profissionais explicaram que o número de casos despencou com relação ao ano passado, mas a situação ainda é grave e os trabalhos de combate continuam. “Uma nova lei permitirá a contratação, a partir de julho deste ano, de mais agentes de endemias, o que nos ajudará muito, mas a população precisa cooperar. Fizemos ainda um trabalho de conscientização em todas as escolas da cidade e temos certeza que as crianças farão diferenças em suas casas no combate ao mosquito”, comentou o coordenador do setor de Endemias Ismael Geraldo.

Até o último fechamento de dados, realizado no sábado (2), haviam em Formiga 340 casos suspeitos de dengue em Formiga, sendo que 4 já foram confirmados. No ano passado, foram registrados mais de 5 mil casos da doença, com mais de 4 mil confirmações. “Isso não quer dizer que a situação está tranquila. O vírus sofre modificações ano a ano, e se não fizermos a nossa parte, pode ser que em 2016, após a epidemia de 2015, seja mais tranquilo, mas nada impede que voltemos a esse número absurdo de casos no próximo ano”, comentou Ismael.

“Tanto nos casos de gripes ou de dengue a ação da população é fundamental. Seja na higienização de mãos e utensílios e mantendo ambientes arejados no caso das síndromes respiratórias, ou a limpeza de ambientes no caso de doenças transmitidas pelo mosquito, é o cuidado individual e posteriormente com pessoas próximas que faz toda a diferença”, alertou o secretário de Saúde.

Imprimir

Comentários