O rompimento de rejeitos da mineradora Vale,  ocorrido na noite de domingo (12) e divulgado apenas nessa quarta-feira (15),  contaminou rios e córregos da região Central de Minas e chegou a região metropolitana.

O novo vazamento faz parecer não terem sido suficientes as lições do maior desastre socioambiental da história do país, ocorrido na mesma região, há um ano e quatro meses. Na época, quando uma barragem da Samarco, subsidiária da Vale em Mariana se rompeu, uma onda de rejeitos soterrou a comunidade próxima de Bento Rodrigues, deixando 19 mortos, assoreou o lago da Hidrelétrica de Candonga e pavimentou os principais canais da Bacia Hidrográfica do Rio Doce até o mar, no Espírito Santo.

O histórico de despejos de restos de mineração no rio Itabirito já ultrapassa o limite dos danos ambientais que assorearam remansos, roubaram a profundidade do leito e as condições para a vida aquática. Em Itabirito, na Região Central de Minas, a situação se agravou nos últimos dias, depois do estouro da conexão em um duto de rejeitos da Mina de Fábrica, da Vale, em Ouro Preto. O novo desastre ambiental a castigar a região desta vez atingiu cinco mananciais e soterrou parte da represa de uma pequena central hidrelétrica (PCH) a apenas 700 metros do bairro São Geraldo, uma comunidade de baixa renda que já vinha enfrentando alagamentos sempre que chovia mais forte.

A barragem centenária atingida atualmente opera com capacidade reduzidíssima, exatamente devido ao assoreamento. A usina, que já chegou a fornecer energia elétrica para Itabirito, hoje alimenta a tecelagem Itatextil. De seus 14 metros de profundidade originais, restaram quatro metros (70% a menos) chegando em alguns pontos a dois metros. “Já sofremos muitos danos estruturais e a situação é tão crítica que não podemos mais abrir as comportas. Se acontecer uma chuva muito forte, há risco de a barragem inteira se romper”, teme o operador industrial da estrutura, Radamés Martins. De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente de Itabirito, Antônio Marcos Generoso, uma equipe da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil foi até o local para avaliar os danos sofridos e a estabilidade do barramento. “Aquele material vai ter de ser removido, pois já soterrou e ameaça a barragem”, afirma o secretário.

Um dos maiores volumes de rejeitos que chegaram à represa foi proveniente do rompimento dos diques da Mina Retiro do Sapecado, da Mineração Herculano, em 10 de setembro de 2014, que resultou na morte de três funcionários. No ano seguinte, um erro na operação dos rejeitodutos da Barragem de Forquilha IV, da mesma Mina de Fábrica, da Vale, trouxe outra onda de rejeitos minerários ao lago. Na madrugada do último domingo, o problema, segundo o Núcleo de Emergência Ambiental (NEA) da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), foi na junção de dois tubos subterrâneos do mesmo rejeitoduto, o que resultou no vazamento de detritos e lama que atingiram a rede de drenagem pluvial da estrada operacional da Vale.

De lá a sujeira seguiu para a Barragem Forquilha IV, escoou próximo ao vertedouro, carreando os rejeitos para o Córrego da Prata, no encontro com o Córrego das Almas e o Ribeirão Mata-Porco. De lá, a mancha de lama vermelha seguiu até o Rio Itabirito e atingiu o Rio das Velhas, percorrendo um total de 77 quilômetros até a captação da Copasa em Bela Fama, que provê 70% da água consumida por Belo Horizonte. A concessionária informou que a elevação da turbidez (densidade de sólidos suspensos na água) não chegou a afetar o tratamento e a distribuição.

(Foto: Arte EM)

Alerta omitido

Um dos fatos mais graves, segundo o secretário de Meio Ambiente de Itabirito, foi o fato de a Vale não ter alertado a nenhuma autoridade sobre o vazamento. “Só descobrimos porque vimos que o Rio Itabirito estava muito vermelho e não tem chovido na região. Temos uma rede de monitoramento que é capaz de verificar o estado de 10 pontos de rios e com isso, investigando, é que vimos que o Córrego da Prata tinha sido atingido. Fomos nós que avisamos à Copasa sobre os rejeitos que iam para o Rio das Velhas”, disse Generoso.

O presidente do Comitê da Sub-Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas, Marcus Vinícius Polignano, considerou essa uma situação inaceitável. “Os rios onde a Vale opera são de Classe 1 e Classe Especial (alta pureza). Ela sabe que está operando em uma área delicada e frágil, mas não toma os cuidados necessários e os acidentes são constantes. Essa é uma água fundamental para Belo Horizonte. E o agravante dessa história é que a Vale não fez comunicado a ninguém, nem ao Comitê da Bacia, nem à Copasa, sobre esse tipo de acidente”, disse.

Segundo a Semad, a Vale avisou sobre o vazamento apenas na segunda-feira (13). Por meio de nota, a secretaria informou que foi solicitado o fechamento do sistema de adução de rejeitos, o desvio da drenagem de água pluvial, a implantação de luva de proteção na área de alagamento da barragem Forquilha IV, a troca da tubulação do duto, a realização de um reforço nas juntas e a revegetação da área afetada. A Vale terá sete dias para encaminhar à pasta um cronograma detalhado das ações de limpeza e remediação. “A empresa será multada pelo órgão ambiental pelos danos ocasionados ao meio ambiente. O valor da punição ainda será calculado”, diz o texto.

A Vale se limitou a afirmar, também por nota, que “identificou o vazamento nesta segunda-feira. A empresa informa que o vazamento já foi contido, que os esclarecimentos aos órgãos ambientais foram feitos e que está apurando as causas da ocorrência”.

 

 

Fonte: Estado de Minas ||

Imprimir

Comentários