Por Priscila Rocha – Últimas Notícias

As precipitações não deram trégua com a chegada do mês de fevereiro. Após o alto volume de chuva registrado em janeiro, cujo índice pluviométrico foi sete vezes maior do que o auferido no mesmo período de 2019 – 253,4mm contra 36mm no ano anterior – a marca deste mês já chega a 231mm.

O volume de chuva registrado nos 15 primeiros dias de fevereiro corresponde a 84,18% do índice pluviométrico registrado nos 28 dias de fevereiro do ano passado, quando a marca foi de 274,4mm.

De acordo com a coordenadora da Defesa Civil do município, Vera Moreira, as precipitações se estenderão por todo o mês. “Teremos um fevereiro muito mais chuvoso do que nos anos anteriores”.

Apesar da chuva estar com volume acima do esperado, Vera informou que os temporais têm ocorrido de forma intermitente e o volume pluviométrico não passa de 15mm. “Na segunda-feira (10) foi registrado um índice de 32, 8mm, na terça-feira 17,6mm, na quarta 28mm e durante a madrugada dessa quinta (13) , 25,2 mm e o previsto para todo o dia seria de 25mm. Apesar disto, o volume de chuva não veio de uma só vez”, disse a coordenadora do órgão.

Com a previsão de chuva para todo o mês, a Defesa Civil orienta os moradores que residem próximos a áreas de risco que fiquem em alerta. “O solo está muito saturado devido ao período chuvoso e alertamos a todos que moram próximos aos córregos e rios para ficarem atentos ao volume d’água e aos que residem embaixo e em cima de encostas que fiquem atentos aos eventuais deslizamentos de terra”, frisou Vera que disse ainda, que manterá a população em alerta por meio dos veículos de comunicação do município.

O órgão também orienta a população a não se abrigar embaixo de árvores, pois, a incidência de raios tem sido muito grande na região.  Outra orientação importante é com relação ao descarte adequado de lixo para que não haja entupimento de bueiros e se evite a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya. “O município decretou situação de emergência em saúde devido ao alto índice de proliferação do mosquito. O combate à dengue é dever de todos, devemos fazer nossa parte”, finalizou a coordenadora da Defesa Civil.

Imprimir