Da Redação***

O vereador Sandromar Vieira (Sandrinho da Looping) protocolou na secretaria do Poder Legislativo, na tarde dessa segunda-feira (16), um ofício em que pede o cancelamento do pregão 06/2008 realizado para que fosse adquirido um novo veículo para a Câmara.

Sandrinho, que é vice-presidente da Mesa Diretora da Casa, afirma em ofício que o princípio da economicidade não foi seguido no processo licitatório, uma vez que o veículo adquirido por R$98.900 pode ser comprado por R$79.990, conforme oferta extraída da página da montadora.

O carro adquirido pelo Legislativo é um Ford Focus Sedan Fastback SE Plus, da cor preta, motor 2.0 e zero quilômetros.

A aquisição do novo veículo continua sendo duramente criticada nas redes sociais e motivo de manifestação de parte da população que não considera tal investimento vantajoso para o município que sofre com a falta de dinheiro.

Após devolver à Prefeitura um veículo Fiat Línea 2014, com quase 90 mil quilômetros rodados, para ser utilizado no transporte de pacientes e familiares que façam uso da Casa de Apoio em Belo Horizonte, a Mesa Diretora da Câmara divulgou na quinta-feira passada (13), que repassará um segundo veículo para a Prefeitura: um Ford Focus 2013, com mais de 140 mil quilômetros rodados. Ambos os carros que agora integrarão a frota do município eram utilizados pela Casa para viagens intermunicipais.

Com as devoluções, o Legislativo reduzirá sua frota de quatro para três veículos, ficando a Casa ainda com dois Fiats Uno, que são utilizados para serviços dentro de Formiga e na zona rural.

O que diz o presidente da Casa

De acordo com informações da assessoria de comunicação do Legislativo, “O presidente da Câmara Municipal, Evandro Donizetti da Cunha (Piruca/PSL), recebeu o ofício apresentado pelo vereador Sandrinho da Looping/PDT e, prontamente, o encaminhou para análise da assessoria jurídica do Legislativo, que ainda estuda a questão. A Comissão de Licitação da Câmara, responsável pelo processo de compra do carro, já se colocou à disposição para tirar dúvidas de quem quer que seja, ainda mais de um vereador, que tem contato direto com os servidores. Tal comissão é formada por funcionários de carreira do Legislativo e jamais teve questionamentos sobre as compras efetuadas pela Casa. Importante ressaltar também que a comissão não tem qualquer influência de vereadores”.

Confira a íntegra do documento

 

print
Comentários