Na segunda-feira (11), ocorreu a última reunião do primeiro semestre da Câmara Municipal. O próximo encontro dos vereadores será no dia 1º de agosto.
De acordo com o Regimento Interno, uma nova eleição teria que ser realizada para indicar um novo presidente no Legislativo, já que Moacir Ribeiro/PMDB foi cassado, pela segunda vez, na sexta-feira da semana passada (8), em expediente assinado pelo juiz Richard Fernando da Silva (Vara Criminal).
Segundo informou a assessora de comunicação da Casa, Érica Oliveira, a mesa diretora achou melhor deixar o vereador José Gilmar Furtado (Mazinho/DEM) como presidente. ?A Câmara tem um prazo de 15 dias para convocar o suplente [do vereador Moacir Ribeiro, no caso José Aparecido Monteiro (Zezinho Gaiola)] para tomar posse. O jurídico da Casa não achou necessidade de convocar uma extraordinária não, se ainda estamos dentro do prazo?.
A mesa ficará composta, provisoriamente, por Mazinho (presidente), que presidiu as duas últimas reuniões, Rosimeire Mendonça (Merinha/PMDB) (vice-presidente) e Reginaldo Henrique dos Santos (Dr. Reginaldo/PCdoB) como primeiro-secretário.
Os advogados de Moacir Ribeiro entraram novamente com um mandado de segurança, desta vez, no Superior Tribunal de Justiça. Érica Oliveira contou que o processo ainda está ?correndo?. ?Ainda não tivemos resposta nenhuma. Ainda não recebemos nada aqui na Câmara não?.
Na terça-feira da semana passada (5), o juiz eleitoral Richard Fernando da Silva protocolou na Câmara Municipal, por volta de 14h, a suspensão do mandato de Moacir Ribeiro. Na quinta-feira (10), o vereador comemorou a concessão da liminar obtida e que lhe garantia o retorno ao exercício normal do mandato. Na ocasião, Moacir ressaltou: ?Acredito em Deus e na Justiça?. A liminar foi concedida pelo juiz Benjamim Rabello do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais.
Já na sexta-feira (8), às 9h58, em expediente assinado pelo juiz Richard Fernando da Silva (Vara Criminal), por meio do ofício 0807/2011, foi comunicado ao vice-presidente da Câmara, José Gilmar Furtado, a suspensão dos direitos políticos de Moacir, com o objetivo de que fosse declarada por aquela Casa a extinção de seu mandato eleitoral.
Em entrevista concedida ao jornal Nova Imprensa e ao portal Últimas Notícias, Moacir Ribeiro contou que os advogados do PMDB estadual, responsáveis pelo caso, ainda não têm nenhuma novidade a respeito da nova liminar impetrada pela defesa. ?Conversei com o advogado hoje [quinta-feira, 14]. Ele está lá no Rio Grande do Sul e o caso ainda está na Justiça?, explicou.

print
Comentários