O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) disse nesta quinta-feira (8) que não quer a estocagem de vacinas contra Covid-19 por parte das prefeituras. O chefe do Executivo estadual creditou aos municípios possíveis dias sem a imunização do coronavírus.

“A vacina resolve nosso problema quando ela está aplicada no braço de quem precisa, e não dentro do refrigerador, do congelador, aguardando para ser vacinado. Tanto é que nesta última semana, juntamente com Ministério Público, juntamente com Associação Mineira de Municípios, nós tomamos uma série de medidas para agilizar mais ainda esse processo. Observamos que em algumas prefeituras o processo estava mais ágil e que em outras prefeituras havia formação de estoque. Nessas onde o processo está mais ágil, é onde estaremos direcionando essa reserva técnica. Quem está com maior velocidade, vai receber um pouco mais de vacina, não é muito, mas vai receber mais”, disse Zema.

Nesse fim de semana, por exemplo, Belo Horizonte foi uma das cidades mineiras em que não houve vacinação contra Covid-19. Segundo Zema, a orientação é para que o processo de imunização não seja interrompido.
“Temos solicitado aos prefeitos que o processo não seja interrompido, apesar de sabermos que os profissionais de saúde estão exaustos. Mas, onde há fila e onde há disponibilidade de vacina, que é a grande maioria das prefeituras, que esse processo, inclusive, continue no final de semana. Quero salientar aqui que a distribuição estado para municípios tem acontecido em questão de horas”, completou. Zema também disse que algumas prefeituras não buscam as remessas de vacinas a tempo e que o governo faz a entrega no tempo esperado. “O que tem ocorrido é: algumas prefeituras não buscam essas vacinas na velocidade em que poderiam. Outras não aplicam na velocidade em que poderiam, e nós ainda temos uma questão de informação. Algumas prefeituras aplicam vacina, mas não informam no sistema no tempo adequado”, complementou. 
Enquanto isso, segundo dados divulgados nessa quarta-feira (7/) pelo governo de Minas, o estado chegou à marca de 26.303 óbitos por coronavírus desde o início da pandemia, em março de 2020. Também nos números totais, são 1.182.847 diagnósticos positivos, sendo 1.061.397 recuperados e 95.147 em acompanhamento. Também de acordo com o Executivo, 2.033.734 receberam a primeira dose da vacina, enquanto 620.340 tomaram a segunda.

Fonte: Estado de Minas

Imprimir
Comentários