Redação Últimas Notícias

Na manhã desta quarta-feira (23) caminhoneiros fecharam um trecho da MG-050 em Formiga. De acordo com o caminhoneiro de uma empresa formiguense, Samuel Fonseca, a paralisação teve início às 7h em frente ao posto Planalto e não há previsão de término. “Deixaremos passar apenas caminhões com cargas vivas, produtos perecíveis e remédios, além de carros de passeio e ônibus”.

Ainda segundo Samuel, os caminhoneiros da cidade montaram uma equipe no local para auxiliar os manifestantes. “Improvisamos uma cozinha e serviremos lanches para os manifestantes”, finalizou.

 

Os profissionais protestam contra o preço do diesel e os impostos que incidem sobre os combustíveis e dos preços cobrados nas praças de pedágio. Eles reclamam também dos frequentes reajustes que fazem parte da política de preços da Petrobras, em vigor desde julho.

Na região, outros pontos de manifestações se formaram em Arcos e Cláudio. Em Arcos os manifestantes se concentraram na região da PUC Minas e próximo ao trevo de acesso da avenida Laura Andrade à BR-354, onde segundo os caminhoneiros, cerca de 500 caminhões de várias partes do país estão parados.

Em Cláudio, o movimento começou na segunda-feira (21). Na região, as paralisações nos trechos de Divinópolis e Itaúna na MG-050 e de Oliveira na BR-381 foram encerradas. Nessa terça-feira, a manifestação entrou no segundo dia na BR-262, em Igaratinga.

Cozinha montada para auxiliar os manifestantes (Foto: Glaudson Rodrigues/Últimas Notícias)

Corrida aos postos de combustíveis

A greve dos caminhoneiros provocou, nesta quarta-feira (23), uma corrida dos motoristas de Formiga aos postos da cidade por medo do desabastecimento. Em alguns estabelecimentos da cidade o estoque de combustível deve acabar ainda hoje.  Apenas um estabelecimento localizado no Terminal Rodoviário garantiu que tem um estoque razoável. No local, a gasolina está sendo comercializado a R$4,87.

Há notícias ainda de que muitas pessoas  estão fazendo compras nos supermercados da cidade para reforçar os estoques de alimentos e outros itens essenciais.

 

 

Imprimir